(31) 97560-9304 após as 14:00h
contato@amdii.org.br

As dietas da moda e a DII: vale a pena arriscar?


As dietas da moda e a DII: vale a pena arriscar?

 

Em cada período do ano, especialmente quando o verão está próximo ou já se iniciou, o surgimento de diversas dietas da moda ganha espaço na internet, redes sociais e entre a população, tornando-se um fenômeno, especialmente entre as mulheres, as quais veem nas dietas da moda uma forma fácil, rápida e simples de perder aqueles quilinhos extras e chegar a um corpo escultural para exibir durante o verão. E criatividade é o que não falta aos criadores dessas dietas mirabolantes como a dieta da sopa, dieta dos pontos, dieta líquida, da lua, do tipo sanguíneo e as mais recentes dieta do hCG e sem glúten e por aí vai. Você já parou para pensar de onde essas dietas surgem e em que são baseadas? Em geral, essas dietas fogem dos hábitos de vida de um indivíduo, além de serem altamente restritivas, pois reduzem muito os nutrientes a serem consumidos durante o dia, sendo completamente desproporcionais ao que chamamos de dieta saudável. A adesão as dietas da moda também parece bem difícil. Já imaginou viver consumindo apenas sopa ou somente líquidos o restante de sua vida? Será que não seria melhor estabelecer um programa alimentar incluindo todos os grupos de alimentos e assim, comer comida de verdade, nutritiva, saudável, como qualquer outra pessoa pode comer? Talvez de imediato as dietas da moda pareçam mais interessantes e com resultados satisfatórios, pois em geral promovem grande perda de peso em um curto período de tempo. No entanto, o que seu praticante não percebe é que esse emagrecimento não é saudável e que quando a alimentação habitual é retomada, ocorre a recuperação do peso corporal perdido e às vezes até mesmo em quantidades superiores àquele peso anterior. Você já parou para pensar qual seria a vantagem disso? E o que quase todas essas pessoas não sabem é o impacto negativo que essas dietas da moda trazem para o organismo, tais como deficiências nutricionais, desenvolvimento de doenças, complicações clínicas, anorexia, comprometimento da produtividade no trabalho e estudos, redução da energia para as atividades de rotina e por aí vai. Se seguir uma dieta de moda fosse tão eficaz assim, provavelmente não existiram pessoas no mundo com o peso acima do ideal e também não precisaria existir o profissional nutricionista, não é mesmo?

Considerando o paciente com DII, ele certamente não fica longe de sofrer esses impactos quando faz a opção por dietas da moda. E em seu caso pode ser até mais agravante. Devido a doença, especialmente na Doença de Crohn, o paciente pode ter alguma alteração nos processos de digestão e/ou absorção relacionados à localização e atividade da doença, fatores que naturalmente podem comprometer a absorção de alguns nutrientes. Essa condição torna-se mais agravada quando o paciente faz opção por dietas inadequadas, as quais podem não oferecer nutrientes, aumentando o grau da deficiência. Estudos sugerem que o paciente com DII tem um discreto aumento de sua taxa metabólica basal, sugerindo que ele necessite de maior teor de energia no dia-a-dia que um indivíduo sem a doença. Se essa demanda não é atingida pela alimentação, devido à realização de dietas da moda as quais oferecem baixo teor energético, o paciente tem maior propensão para perda de peso e desenvolvimento da desnutrição. Em DII, o paciente faz uso de um ou vários medicamentos para indução ou manutenção da remissão da doença, condição que também requer a oferta ideal de energia, proteína, vitaminas e minerais, visando o bom quadro clínico do paciente e sucesso em seu tratamento. Além disso, quase todas as enzimas do organismo requerem vitaminas e minerais para funcionarem, nutrientes pouco oferecidos em casos de dietas restritivas como as dietas da moda, resultando em comprometimento de todo o metabolismo. Por não oferecem os nutrientes que cada indivíduo requer no seu dia-a-dia as dietas da moda podem levar o paciente com DII a um quadro de desnutrição, agravando suas condições de saúde e favorecendo o surgimento de outras doenças. Por isso, as dietas da moda devem ser evitadas por pacientes com DII. A melhor alternativa para perder aqueles quilinhos extras é buscar uma orientação profissional, melhorar seus hábitos alimentares, vivenciar a reeducação alimentar e associar uma atividade física para assim alcançar sucesso no tratamento da DII, assegurar mais saúde e menos peso.

Dra. Lana Claudinez dos Santos

Nutricionista (Ambulatório de Intestino – Hospital das Clínicas/UFMG)

Mestre e Doutora em Bioquímica e Imunologia