(31) 97560-9304 após as 14:00h
contato@amdii.org.br

A alimentação na DII em atividade


A alimentação na DII em atividade

A alimentação na Doença Inflamatória Intestinal em atividade e em remissão

 

Uma das maiores dúvidas do paciente com Doenças Inflamatórias Intestinais (DII) é saber o que ele deve consumir ou evitar, durante as fases de atividade e remissão da doença. Na prática, vemos que alguns pacientes com a DII ativa não fazem modificações em sua alimentação habitual, fator que interfere no tratamento da doença e que pode contribuir para o aumento da diarreia por exemplo. Por outro lado, alguns pacientes evitam ao máximo se alimentar durante essa fase, realizando apenas uma ou duas refeições ao dia, acreditando que assim a diarreia irá melhorar. Tanto uma conduta como a outra estão inadequadas! Durante a atividade da doença o paciente deve realizar diversas refeições ao dia, consumindo pequenas quantidades de alimentos por vez, para facilitar os processos de digestão e absorção dos nutrientes, prevenindo a perda de peso e o desenvolvimento de um quadro de desnutrição. É preciso considerar a tolerância do paciente com relação aos alimentos, especialmente aqueles que contêm lactose e fibras. A lactose, durante a atividade da doença, pode não ser bem digerida e aumentar ainda mais a diarreia. As fibras, por sua vez, também podem interferir no tratamento. Existem dois tipos de fibras: as fibras solúveis e as fibras insolúveis. As fibras solúveis auxiliam na redução da diarreia, contribuindo para o tratamento da doença em atividade. Por outro lado, as fibras insolúveis aumentam o número de evacuações, prejudicando assim o tratamento da DII ativa. Uma adequada hidratação nessa fase também é fundamental, devido à presença da diarreia e as perdas de água e eletrólitos (sódio, potássio, cloro..) decorrentes dela. A suplementação nutricional também pode ser necessária nesta fase, conforme o estado nutricional do paciente e a gravidade da doença.

Durante a remissão da DII a alimentação do paciente deve ser normal, saudável, balanceada, incluindo todos os grupos de alimentos (carboidratos, proteínas, lipídios - em especial os insaturados, vitaminas, minerais e fibras). Nessa fase, não existem restrições alimentares!! No entanto, cada paciente deve ser avaliado quanto à presença de intolerâncias alimentares, respeitando sua aceitação e tolerância aos diversos alimentos.

É imprescindível o cuidado com a alimentação na DII. Assim, o paciente estará prevenindo o desenvolvimento da desnutrição e de sobrepeso/obesidade, além de estar contribuindo para a eficácia do tratamento da doença, tanto em sua fase ativa quanto na fase de remissão.

 

 

 

Dra. Lana Claudinez dos Santos

Nutricionista (Ambulatório de Intestino – Hospital das Clínicas/UFMG)

Mestre e Doutora em Bioquímica e Imunologia